⚡ Curiosidades, celebs, séries, músicas, cinema e muito mais!

+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Uber terá que assinar carteira de motoristas após decisão da Justiça 13

Uber terá que assinar carteira de motoristas após decisão da Justiça

A 4ª Vara do Trabalho de São Paulo condenou a Uber a contratar todos os motoristas ativos da plataforma com carteira assinada e ainda pagar uma multa de R$ 1 bilhão em danos morais coletivos. A ação foi publicada na última quinta-feira (14).

O Ministério Público do Trabalho informa que recebeu uma denúncia da Associação dos Motoristas Autônomos de Aplicativos (AMAA) sobre as condições de trabalho dos motoristas cadastrados. O juiz do Trabalho Maurício Pereira Simões, responsável pela decisão, alegou que a empresa sonegou direitos mínimos e deixou colaboradores sem proteção social.

O magistrado afirma que a Uber teria agido de forma planejada para “não cumprir a legislação do trabalho, previdenciária, de saúde e de assistência, se omitindo em suas obrigações mesmo quando tinha o dever constitucional de observar as normas”.

A empresa tem um prazo de seis meses após o trânsito em julgado da ação para regularizar a contratação em carteira profissional de todos os motoristas e todas as futuras contratações deverão seguir essas regras.

A decisão ainda determinou uma multa diária de R$ 10 mil para cada motorista do aplicativo sem registro. Metade do valor deve ser destinado ao Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).

Uber vai recorrer da sentença

Em resposta ao Canaltech, a Uber revelou que vai recorrer da decisão e “não vai adotar nenhuma das medidas elencadas na sentença antes que todos os recursos cabíveis sejam esgotados”.

Em nota, a empresa afirma que “há evidente insegurança jurídica” e aponta para decisões opostas em outros julgamentos de ações do mesmo teor que envolveram a própria Uber e outras plataformas, como iFood, Loggi e Lalamove.

Além disso, a companhia diz que a decisão representaria um “entendimento isolado e contrário à jurisprudência” estabelecida pela segunda instância do Tribunal Regional de São Paulo em ações julgadas desde 2017 e menciona outras decisões contrárias estabelecidas por Tribunais Regionais, Varas de Trabalho e o Tribunal Superior do Trabalho.

Compartilhe essa notícia ✈️
0
Compartilhar
URL compartilhável
👀 Talvez você queira saber
0
Compartilhar