⚡ Curiosidades, celebs, séries, músicas, cinema e muito mais!

+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Jovem nota mil no Enem: ‘vaquinha on-line’ já arrecadou mais de R$ 100 mil 17

Jovem nota mil no Enem: ‘vaquinha on-line’ já arrecadou mais de R$ 100 mil

Rilary Manoela Coutinho, de 18 anos, moradora de Itapiranga (AM), que, sem acesso à internet em casa e sem cursinho pré-vestibular, conseguiu a nota mil em redação no Enem 2022 autorizou a ONG Razões Para Acreditar a promover uma “vaquinha virtual” para arrecadar recursos que vão auxiliar na realização do sonho de cursar Engenharia Civil. Veja como doar aqui.

Até as 17h15 desta sexta-feira (24), já foram arrecadados mais de R$ 104 mil, em 3.899 doações.

“Abrimos essa vaquinha para custear o material didático de estudo (que para engenharia é bem caro) e também para que ela consiga se manter nos cinco anos de duração do curso, mesmo já tendo ganho abrigo estudantil, ofertado pela própria universidade depois de toda repercussão”, justifica a ONG na descrição da “vaquinha virtual”.

Jovem nota mil no Enem: ‘vaquinha on-line’ já arrecadou mais de R$ 100 mil 19

“Finalmente conseguimos contato com a Rilary! Vocês mandaram bastante a história dela pra gente e falamos com ela! Pense numa menina esforçada? Ela mora em Itapiranga, no interior do Amazonas, junto com sua avó e irmão. Desde sempre quis cursar faculdade de engenharia civil e não poupou esforços pra conseguir passar no vestibular – sem fazer cursinho! A jovem não apenas foi aprovada, como sua nota foi mil no Enem! Como ela conseguiu isso? Muita determinação, claro. Ela estudava sozinha em casa e como não tem Wi-fi. Rilary fazia resumo de todos os livros na escola, pois não podia comprá-los nem acessar conteúdo on-line. E assim estudava seus resumos todos os dias estudando até tarde da noite”, diz a ONG.

Dificuldades

Mas o empenho da jovem não será o suficiente para que ela consiga finalmente ingressar na faculdade. Depois das dificuldades que passou e pedras pelo caminho, a situação financeira da família no momento não permite que ela possa morar longe de casa e se dedicar aos estudos.

Rilary tem expectativa de conseguir um bom resultado no Sistema de Seleção Unificada (Sisu). Sua pontuação foi boa e ela acredita que possa conseguir uma vaga no curso desejado. Mas a amazonense já sabia, antes do início do processo de seleção, que teria de adiar o início da graduação. O curso que ela deseja só é ofertado na Universidade Federal do Amazonas (Ufam), a mais de cinco horas de viagem de Itapiranga. Além do tempo que levaria se não mudasse de cidade, o valor das passagens torna as viagens diárias quase impossíveis.

— Antes mesmo de saber as pontuações do Enem, já tinha conversado com a minha família e dito que iria continuar estudando para fazer os vestibulares que são das próprias universidades e tentar ingressar somente em julho. Não consigo agora, no início do ano, por questões logísticas mesmo, como moradia e meio de transporte, iniciar uma faculdade em Manaus — resume Rilary.

A estudante vive um drama que já foi o do irmão mais velho, com quem mora, junto da avó aposentada. Ele foi o primeiro da família a ingressar em uma universidade pública. Mas teve que trancar o curso de Engenharia de Software por não ter mais condições financeiras de continuar durante a pandemia da Covid-19.

Mesmo tendo se empenhado nos estudos, Rilary disse ter ficado surpresa ao saber do desempenho que teve na redação. Ela e os colegas que também fizeram o exame, já haviam chegado à conclusão de que o melhor seria que todos começassem a se preparar para outras provas, não depositando todas as esperanças somente no Enem. Mas a prática levou a estudante a alcançar a tão nota mil na redação, que teve como tema “desafios para a valorização de comunidades e povos tradicionais no Brasil”.

Livros antigos

— Fiquei muito surpresa quando vi a nota, não me imaginei tirando essa pontuação. Eu olhava o rascunho que estava comigo e achava que não tinha ido tão bem. Estudava com os livros de curso pré-vestibular da escola, e eles eram bem antigos. Em cidades do interior, é difícil chegar material mais atualizado. Mas, quando eu sentia que precisava muito de mais informações sobre um determinado assunto ou disciplina, corria na biblioteca da escola e pegava mais livros — contou.

Rilary já havia sido aprovada no vestibular da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) em 2022, para o curso de Engenharia de Materiais. Mas não conseguiu se deslocar do seu município até o campus e efetivar a matrícula. O preço de R$ 78 pela viagem comprometeria o orçamento familiar.

— Tenho muita determinação e vejo que muitas pessoas do interior também têm. Às vezes, querem cursar até mesmo cursos menos disputados, mas precisam se deslocar até Itacoatiara e Manaus. Muitas coisas impedem a gente de ir para a faculdade. Inclusive questões financeiras. Do que adianta tirar notas altas? Vendo toda essa situação, de se esforçar e mesmo assim não conseguir realizar o sonho de estudar, vai diminuindo muito as nossas expectativas. Me sinto injustiçada — lamenta Rilary.

Compartilhe essa notícia ✈️
0
Compartilhar
URL compartilhável
👀 Talvez você queira saber
0
Compartilhar