⚡ Curiosidades, celebs, séries, músicas, cinema e muito mais!

+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Pintura de 1937 provoca debate sobre viagem no tempo 15

Pintura de 1937 provoca debate sobre viagem no tempo

Uma pintura antiga do artista Umberto Romano está causando um grande debate na comunidade artística e científica sobre a possibilidade de viagem no tempo. A obra de arte intitulada “Mr. Pynchon e a Colonização de Springfield” retrata William Pynchon, o fundador da cidade de Springfield, Massachusetts, durante o processo de desenvolvimento da cidade.

No entanto, o que tem intrigado as pessoas é a presença de um homem indígena na pintura que parece estar segurando um objeto que se assemelha a um smartphone. Ele faz um gesto de “desculpe, preciso atender isso”, deixando muitos imaginando se o objeto é realmente um dispositivo móvel do futuro.

MARCOS MAURICIO: MISTÉRIO: PINTURA MOSTRA DESENHO DE IPHONE 77 ANOS ANTES  DE SER INVENTADO. SERÁ?

William Pynchon, o personagem central da pintura, é conhecido por ter escrito “O Meritório Preço de Nossa Redenção” em 1650, o primeiro livro a ser proibido em Boston e queimado no Boston Common. Curiosamente, ele também é ancestral do famoso romancista Thomas Pynchon. No entanto, é o enigmático homem indígena com o objeto aparentemente anacrônico que tem causado o maior alvoroço.

A imagem foi amplamente compartilhada na plataforma Reddit, com usuários comentando sobre a expressão do homem, sugerindo que ele acabou de ler um tweet decepcionante ou viu sua postagem sendo rebaixada. Alguns até imaginaram cenários em que outro homem na pintura, que parece amarrado e usando calças de aparência moderna, é do presente e teve seu telefone confiscado.

Embora a teoria da viagem no tempo pareça muito intrigante, há explicações alternativas que são mais prováveis. Algumas das teorias mais plausíveis sugerem que o objeto segurado pelo homem indígena em “Mr. Pynchon e a Colonização de Springfield” é um espelho de mão, um item popular de troca durante o período, ou uma cabeça de machado que ele está inspecionando.

Embora essas explicações possam parecer banais em comparação com a possibilidade de viagem no tempo, elas são muito mais plausíveis do que a ideia de alguém do futuro distante voltando para 1937 para aparecer em uma pintura que se passa em 1650. Independentemente da verdadeira explicação, a pintura de Romano continua a intrigar e desafiar nossas suposições sobre o passado e o futuro.

Compartilhe essa notícia ✈️
0
Compartilhar
URL compartilhável
👀 Talvez você queira saber
0
Compartilhar