⚡ Curiosidades, celebs, séries, músicas, cinema e muito mais!

+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Lei Taylor Swift: Deputados apresentam projetos de lei contra o cambismo após problemas nas vendas 13

Lei Taylor Swift: Deputados apresentam projetos de lei contra o cambismo após problemas nas vendas

A venda de ingressos para o aguardado show da renomada cantora Taylor Swift no Brasil, programado para novembro, transformou-se em uma confusão alarmante. Diante dessa situação, dois deputados federais decidiram tomar medidas para combater a ação de cambistas em eventos no país. Na sexta-feira (16), eles apresentaram projetos de lei que visam criminalizar a prática de venda de ingressos por cambistas, que tem prejudicado os fãs da artista americana em São Paulo.

Projeto de Lei da deputada Simone Marquetto: A deputada Simone Marquetto, do MDB-SP, propôs um projeto de lei que proíbe a venda de ingressos a preços superiores aos estabelecidos pelos organizadores do show. Segundo o projeto, essa prática seria considerada como “crime contra a economia popular”.

A pena prevista no projeto de lei seria de 1 a 4 anos de detenção, além de uma multa no valor de cem vezes o preço dos ingressos. A proposta tem como objetivo principal proteger os fãs da cantora Taylor Swift, garantindo que eles possam adquirir os ingressos a preços justos, conforme estabelecido pelos organizadores do evento.

Projeto de Lei do deputado Pedro Aihara: Outro deputado engajado na luta contra os cambistas é Pedro Aihara, do Patriota-MG. Ele propôs um projeto de lei que busca tipificar o crime como “cambismo digital” ou “cambismo analógico”.

Essa distinção se deve à prática comum de inflacionar os valores dos ingressos em sites e aplicativos de revenda de ingressos, realizada pelos chamados cambistas digitais. O projeto do deputado Aihara estabelece penas mais brandas em comparação ao projeto da deputada Marquetto.

Para o “cambismo digital”, a pena prevista seria de detenção de 1 a 3 anos e multa equivalente a 10 vezes o valor do ingresso. Já para o “cambismo analógico”, a pena seria de detenção de 6 meses a 2 anos, acompanhada de uma multa com o mesmo valor do ingresso.

Os projetos de lei apresentados pelos deputados Marquetto e Aihara têm como objetivo principal coibir a ação de cambistas que se aproveitam da demanda por ingressos de eventos populares para obter lucros excessivos e prejudicar os fãs. A prática de inflacionar os preços dos ingressos por meio de plataformas digitais tem se tornado cada vez mais comum, causando revolta entre os consumidores.

A criminalização dessa conduta visa garantir que os ingressos sejam comercializados de forma justa e acessível, protegendo os interesses dos fãs e preservando a integridade econômica dos eventos.

A confusão gerada pela venda de ingressos para o show de Taylor Swift no Brasil despertou a atenção de dois deputados federais, que apresentaram projetos de lei para combater a ação de cambistas.

As propostas visam criminalizar a venda de ingressos acima do valor estabelecido pelos organizadores do evento, bem como punir os cambistas digitais que inflacionam os preços nas plataformas de revenda. Essas iniciativas buscam garantir que os fãs da cantora possam adquirir seus ingressos a preços justos, protegendo a economia popular e a integridade dos eventos no país.

A discussão sobre a “Lei Taylor Swift” e a necessidade de regulamentação para combater o cambismo certamente trará reflexões importantes sobre a proteção dos consumidores e a transparência na comercialização de ingressos para eventos no Brasil.

Compartilhe essa notícia ✈️
0
Compartilhar
URL compartilhável
👀 Talvez você queira saber
0
Compartilhar