⚡ Curiosidades, celebs, séries, músicas, cinema e muito mais!

+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Ovelha Dolly: A história do primeiro mamífero clonado 15

Ovelha Dolly: A história do primeiro mamífero clonado

A clonagem é um processo no qual um organismo geneticamente idêntico é produzido. O conceito de clonagem está presente na ficção científica há muitos anos, mas foi apenas no final do século 20 que se tornou realidade.

Em 5 de julho de 1996, cientistas do Instituto Roslin, em Edimburgo, na Escócia, conseguiram o que parecia impossível: clonaram um animal a partir de uma célula adulta, dando à luz a ovelha Dolly. Este foi um momento significativo na história da ciência, pois Dolly foi o primeiro mamífero a ser clonado de uma célula adulta, tornando-se um dos animais mais famosos do mundo.

Antes de Dolly, vários outros animais, incluindo camundongos, ovelhas e vacas, haviam sido clonados em laboratórios. No entanto, esses animais foram clonados a partir do DNA de embriões.

A clonagem de Dolly

Ovelha Dolly

A clonagem de Dolly, por outro lado, mostrou que o DNA de uma célula adulta, programada para expressar apenas um subconjunto específico de seus genes, poderia ser usado para desenvolver um organismo inteiramente novo. A célula usada como doadora para a clonagem de Dolly foi retirada da glândula mamária de uma ovelha Finn-Dorset de 6 anos, enquanto o óvulo não fertilizado foi retirado de uma ovelha blackface escocesa.

O nascimento de Dolly ganhou as manchetes em 1997, com reportagens especiais escritas em mídias como a TIME e Science, apresentando-o como o avanço do ano. O nome Dolly foi escolhido como uma homenagem à famosa cantora country Dolly Parton, cujas canções incluem “I Will Always Love You“, “Jolene” e “Coat of Many Colors“. A razão para o nome, de acordo com Wilmut, era que “Dolly é derivada de uma célula da glândula mamária e não poderíamos pensar em um par de glândulas mais impressionante do que a de Dolly Parton”.

Dolly (a ovelha) morava no Instituto Roslin, onde foi cruzada com um macho Welsh Mountain e produziu seis filhotes. Aos cinco anos de idade, Dolly desenvolveu artrite, fazendo com que ela sentisse fortes dores ao caminhar. Felizmente, ela pôde ser tratada com pílulas anti-inflamatórias.

No entanto, em 14 de fevereiro de 2003, Dolly teve que ser sacrificada devido a uma doença pulmonar progressiva. Uma necropsia revelou que ela tinha uma forma de câncer de pulmão chamada Jaagsiekte, causada pelo retrovírus JSRV.

A clonagem hoje

A importância do nascimento de Dolly e a subseqüente atenção da mídia ajudaram a estimular mais pesquisas sobre clonagem e engenharia genética. Hoje, a clonagem é usada em vários campos, incluindo agricultura, biomedicina e conservação.

Na agricultura, a clonagem é usada para produzir animais com características específicas desejáveis, como aumento da produção de leite ou resistência a doenças.

Na biomedicina, a clonagem é usada para produzir tecidos e órgãos humanos, que podem ser usados para tratar várias doenças e condições.

Na conservação, a clonagem é usada para preservar espécies ameaçadas de extinção, produzindo cópias geneticamente idênticas.

Apesar dos inúmeros benefícios da clonagem, também existem muitas preocupações éticas e morais associadas à tecnologia. Por exemplo, algumas pessoas acreditam que a clonagem não é natural e vai contra as leis da natureza.

Outros acreditam que é antiético produzir clones humanos, pois levanta questões sobre a natureza da vida e os direitos do indivíduo clonado.

Além disso, existe a preocupação de que a clonagem possa levar à criação de “bebês projetados”, com os pais escolhendo características específicas para seus filhos, o que por si só geraria um debate sem fim.

Compartilhe essa notícia ✈️
0
Compartilhar
URL compartilhável
👀 Talvez você queira saber
0
Compartilhar