⚡ Curiosidades, celebs, séries, músicas, cinema e muito mais!

+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Homem mais radioativo mantido vivo por 83 dias enquanto ‘chorava sangue’ e ‘pele derretia’ 13

Homem mais radioativo mantido vivo por 83 dias enquanto ‘chorava sangue’ e ‘pele derretia’

Ele foi exposto a 68 vezes o que os bombeiros foram expostos em Chernobyl

Em 1999, uma reação química na Usina Nuclear de Tokaimura, no Japão, resultou em uma liberação catastrófica da perigosa radiação de nêutrons e raios gama.

O incidente ocorreu quando dois técnicos, incluindo Hisashi Ouchi, de 35 anos, despejavam manualmente 16 quilos de urânio em uma cuba de metal. A operação foi um erro de cálculo, pois eles só tinham permissão legal para usar 2,4 quilos de urânio. A quantidade excessiva do material fez com que o líquido atingisse um “ponto crítico”, liberando a radiação nociva na atmosfera e expondo Ouchi a 17 Sieverts de radiação – a maior quantidade sofrida por qualquer ser humano vivo.

A exposição a uma dose tão alta de radiação teve consequências graves na saúde de Ouchi. Ele sofreu queimaduras, perda de glóbulos brancos e falência múltipla de órgãos. A equipe médica do Hospital da Universidade de Tóquio trabalhou incansavelmente para salvar sua vida, mas a extensão de seus ferimentos provou ser demais para superar.

Quando chegou ao hospital, ele já havia vomitado e desmaiado, com todo o corpo coberto de queimaduras, com a pele ‘derretendo’ e olhos vazando sangue.

A falta de glóbulos brancos e a ausência de resposta imunológica eram graves preocupações para os médicos. Eles colocaram Hisashi em uma ala médica especial para evitar infecções e usaram seu corpo para testar procedimentos envolvendo células-tronco.

A irmã de Hisashi se ofereceu para doar células-tronco, mas o método não funcionou e seu DNA não conseguia se reconstruir. Com o tempo, o sofrimento de Hisashi aumentou a ponto de ele implorar para que os médicos o deixassem em paz.  “Não aguento mais, não sou uma cobaia”, teria gritado o paciente uma vez no hospital.

No entanto, devido à insistência da família, os tratamentos experimentais continuaram. Com seu DNA totalmente destruído e danos cerebrais crescentes, o destino de Hisashi já estava selado. Em 21 de dezembro de 1999, ele sofreu uma parada cardíaca final que levou à falência de múltiplos órgãos, libertando-o do sofrimento.

O outro técnico envolvido no incidente, bem como o supervisor dos técnicos, Yutaka Yokokawa, também receberam tratamento, mas em menor grau. Yokokawa foi libertado após três meses com um leve enjoo causado pela radiação e foi acusado de negligência em outubro de 2000.

A empresa de combustível nuclear, JCO, mais tarde pagou US$ 121 milhões para liquidar 6.875 pedidos de indenização de indivíduos e empresas que sofreram ou foram expostos à radiação de o acidente.

O incidente na Usina Nuclear de Tokaimura foi um trágico lembrete dos perigos associados ao manuseio de materiais nucleares. Contribuiu para a gravidade do acidente o fato de os dois técnicos envolvidos não estarem devidamente treinados para a tão delicada tarefa, e de terem ultrapassado o limite legal de urânio. O desastre também destacou a importância de medidas de segurança adequadas e treinamento para aqueles que lidam com materiais nucleares.

Compartilhe essa notícia ✈️
0
Compartilhar
URL compartilhável
👀 Talvez você queira saber
0
Compartilhar