⚡ Curiosidades, celebs, séries, músicas, cinema e muito mais!

+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

VÍDEO: Gary Plauché, o pai que assassinou o sequestrador e estuprador de seu filho 9

VÍDEO: Gary Plauché, o pai que assassinou o sequestrador e estuprador de seu filho

https://misteriosdomundo.org/gary-plauche-o-pai-que-assassinou-o-sequestrador-e-estuprador-de-seu-filho/

16 de março de 1984. Gary Plauché esperou pacientemente em uma das salas do aeroporto de Baton Rouge, na Louisiana, EUA. Ele tinha ouvido falar que a polícia faria a transferência de um homem que seria julgado pelas autoridades estaduais pelo sequestro e estupro de Jody, seu filho.

Minutos antes das 22 horas, o arguido percorreu um dos corredores do aeroporto ladeado por polícias e câmaras de televisão.

Jeffrey Doucet, de 25 anos, estava sendo seguido pelas lentes do noticiário local, quando alguém atirou contra ele. Antes do corpo cair completamente ao chão, as pessoas que estavam no local já haviam agido para neutralizar o agressor. Era Gary. O silêncio que se seguiu ao tiro foi interrompido por uma pergunta: “Por que, Gary? Porque?”. Em sua história você pode encontrar a resposta.

O vídeo está privado para maiores de 18 anos, sendo assim, você precisará clicar AQUI para conferir no YouTube.

Quem foi Gary Plauché?

Leon Gary Plauché era um homem comum com uma vida comum. Ele havia se casado, fracassado em seu casamento e devotado o resto de sua vida a seu trabalho e a seu filho, Jody. Em 1983, quando o menino tinha pouco mais de 10 anos, Gary o inscreveu em aulas de caratê, onde poderia passar as tardes.

Em fevereiro do ano seguinte, Jody Plauché desapareceu. Seus pais denunciaram sua ausência e pediram o apoio da polícia, que mobilizou uma operação estadual para descobrir seu paradeiro.

No último dia do mês, June Plauché – ex-mulher de Gary – recebeu uma ligação a cobrar de um hotel em Anaheim, Califórnia: era de seu filho. A polícia rastreou a ligação e encontrou Jody acompanhado por Jeffrey Doucet, um jovem de 25 anos que havia servido como instrutor de caratê do menino.

De acordo com registros oficiais, Doucet ab*sou sexualmente de Jody por pelo menos um ano antes de seq*estrá-lo e levá-lo a um hotel onde poderia est*prá-lo . Tais informações se tornaram públicas após a prisão do criminoso. Foi assim que Gary descobriu o que havia acontecido com seu filho.

Um assassinato capturado em câmeras de televisão

Em 16 de março de 1984, Gary foi notificado por um funcionário da WBRZ-TV, uma afiliada local da ABC, que Doucet chegaria a Baton Rouge à noite. O pai, ainda abatido pela impotência diante do terrível acontecimento que o filho havia vivenciado, resolveu ir até o local e fazer justiça pelas próprias mãos.

Por volta das 21h30, o melhor amigo de Gary recebeu um telefonema. Do outro lado da linha estava um homem que escondeu sua identidade sob um boné de beisebol e óculos de sol. A ligação da área de telefone público do Aeroporto Metropolitano Ryan Field terminou depois que Gary sacou uma arma e atirou em Doucet à queima-roupa. O tiro, disparado a menos de um metro de distância perto da orelha direita do homem, foi fatal.

As câmeras da WBRZ-TV capturaram tudo: a corrida de Doucet, o tiro de Plauché, as ações dos policiais no local. A gravação foi transmitida naquela mesma noite com censura; o único momento em que os telespectadores conseguiram ver sem cortes foi quando um Gary Plauché imobilizado ficou em silêncio quando um policial perguntou a ele “ Por que, Gary? Porque? ”. Jeffrey Doucet entrou em coma minutos depois e morreu no dia seguinte.

O que aconteceu com Gary Plauché?

Gary Plauché foi acusado de assassinato em segundo grau. A discussão pública imediatamente se voltou para saber se o pai merecia uma punição exemplar ou se seu ato deveria ser perdoado. O homem passou por testes psicológicos que indicaram que Gary era vítima de um estado psicótico que não lhe permitia diferenciar o bem do mal.

Após um julgamento na mídia, as autoridades negociaram com Plauché, oferecendo-o para enfrentar uma acusação de homicídio culposo , cuja pena seria uma pena suspensa de 7 anos, cinco anos de liberdade condicional e 300 horas de serviço comunitário. Gary concordou. O juiz Frank Saia decidiu no tribunal que o pai de Jody não representava um risco para a sociedade. Ele não cometeria outro crime, pois não tinha motivos para cometê-lo.

Em 2012, um ano após sofrer um AVC, Gary Plauché concordou em dar uma entrevista sobre seu caso. Nela afirmava algo que qualquer um poderia imaginar: não se arrependia de seu crime e não hesitaria em cometê-lo novamente. Não havia necessidade disso e, em 2014, o pai que matou o estuprador de seu filho morreu pacificamente em uma casa de repouso. Sua história seria contada pelo próprio Jody Plauché em um livro apropriadamente intitulado: ‘Por que Gary, por quê?’.

Compartilhe essa notícia ✈️
0
Compartilhar
URL compartilhável
👀 Talvez você queira saber
0
Compartilhar