in

Vídeo mostra áudios reais do julgamento de Suzane Von Richthofen e dos irmãos Cravinhos; assista e compare com filmes

No dia do julgamento, câmeras de equipes de reportagem não puderam entrar no plenário onde Suzane, Daniel e o irmão dele, Cristian Cravinhos, foram processados. Mas a própria Justiça gravou os depoimentos. Os áudios reforçam a imagem de uma Suzane arrependida e influenciável. No depoimento da vida real, como mostra o file “O menino que matou meus pais”, ela disse que foi Daniel quem lhe apresentou ao mundo das drogas e também relata uma traumatizante experiência de perda de virgindade ao lado do namorado. “[…] sem nada daquilo que eu sempre sonhei, sem nada daquilo que eu sempre imaginei”, narra ela, detalhando a cor preta da toalha que cobria Daniel, da mesma forma como mostra o filme que conta a versão dela.  

Diferente do que narrado por Suzane, o ex-instrutor de aeromodelismo do irmão dela, Daniel Cravinhos, disse que começou a usar drogas por culpa da namorada. “Ela já fumava maconha e cigarro antes de me conhecer. E eu comecei a fumar maconha e cigarro depois que eu a conheci”, contou Daniel na vida real. A versão dele é contada no filme “A menina que matou os pais”. “Ela disse para mim que queria matar os pais”, contou Daniel no dia do julgamento. 

A atriz Carla Diaz tem sido parabenizada pelo trabalho nos filmes. Confira um vídeo que mostra uma comparação entre as “Suzanes” da vida real e da dramaturgia.