Segunda pessoa a receber transplante experimental de coração de porco morre quase seis semanas após procedimento 9

Segunda pessoa a receber transplante experimental de coração de porco morre quase seis semanas após procedimento

Lawrence Faucette, a segunda pessoa a receber um transplante experimental de coração de porco geneticamente modificado, faleceu após aproximadamente seis semanas do procedimento no Centro Médico da Universidade de Maryland.

O transplante, destinado a ser uma esperança para aqueles que não têm opção viável de transplante cardíaco humano, suscitou atenção global, mas também revelou desafios significativos.

Faucette, um paciente de 58 anos, inicialmente foi internado em 14 de setembro após apresentar sintomas de insuficiência cardíaca. Devido às condições pré-existentes e sua gravidade, ele não era elegível para um transplante cardíaco humano tradicional. Com a única esperança de prolongar sua vida, ele optou pelo xenotransplante, um procedimento experimental que utiliza corações de porco geneticamente modificados.

Segunda pessoa a receber transplante experimental de coração de porco morre quase seis semanas após procedimento 11

O procedimento foi realizado em Faucette apenas seis dias após sua internação, e as primeiras semanas foram cheias de esperança. Médicos relataram progressos significativos, e a família dele estava otimista sobre passar mais tempo juntos. Cerca de um mês após a cirurgia, os médicos consideraram que a função cardíaca de Faucette estava excelente e retiraram os medicamentos para apoiar sua função cardíaca.

No entanto, a reviravolta trágica ocorreu quando Faucette começou a apresentar sinais de rejeição cardíaca nos últimos dias. Os médicos trataram o paciente com tratamentos experimentais, como anticorpos para suprimir o sistema imunológico e prevenir a rejeição. A rejeição de órgãos, um desafio significativo mesmo em transplantes tradicionais com órgãos humanos, acabou por ser um obstáculo insuperável.

Bartley Griffith, o cirurgião que liderou o procedimento e diretor clínico do Programa de Xenotransplante Cardíaco da Escola de Medicina da Universidade de Maryland, expressou suas condolências e gratidão ao Sr. Faucette por sua contribuição para o avanço da medicina e pela esperança que ele representava.

Ann Faucette, a esposa de Lawrence, também agradeceu a todos os envolvidos no cuidado de seu marido, destacando sua coragem e a disposição dele de ajudar outros pacientes em situações semelhantes.

Os xenotransplantes, apesar de oferecerem uma nova esperança para pacientes que aguardam órgãos humanos, continuam sendo um campo desafiador da medicina. Como aponta o governo federal dos Estados Unidos, mais de 113 mil pessoas estão na lista de transplantes de órgãos, com mais de 3.300 necessitando de um coração. A doação de órgãos ainda é uma necessidade urgente, e o grupo Donate Life America destaca que 17 pessoas morrem diariamente enquanto aguardam um doador.

Este não é o primeiro caso de xenotransplante cardíaco a enfrentar desafios. Em janeiro de 2022, a Universidade de Maryland realizou o primeiro procedimento experimental em David Bennett, de 57 anos, que também faleceu dois meses após a cirurgia devido a insuficiência cardíaca, com complicações relacionadas à sua condição pré-existente. Um estudo de caso publicado na revista Lancet observou evidências de vírus suínos previamente não identificados, destacando a complexidade do campo.

O caso de Lawrence Faucette reforça a necessidade contínua de pesquisas, avanços e cautela na busca de soluções inovadoras para pacientes que dependem de transplantes de órgãos. A medicina está comprometida em enfrentar desafios complexos, mas o caminho para o sucesso em xenotransplantes cardíacos ainda é incerto.

Compartilhe essa notícia ✈️
0
Compartilhar
URL compartilhável
👀 Talvez você queira saber
0
Compartilhar