in

ForçaForça

O 'táxi aéreo' onde Marília Mendonça estava já foi alvo de denúncias por irregularidade

O avião que transportava a cantora Marília Mendonça e caiu na zona rural de Caratinga, na tarde desta sexta-feira (5), foi alvo de denúncia encaminhada pelo Ministério Público Federal (MPF) em Goiás para a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Em maio deste ano, procuradores enviaram um documento solicitando uma manifestação do órgão sobre possíveis irregularidades na empresa PEC Táxi Aéreo, dona da aeronave do acidente que vitimou a artista e outras quatro pessoas.

“A empresa acumula irregularidades que coloca (sic) em risco tripulantes e passageiros, mesmo diante de denúncias repetidas à ANAC, a empresa nunca passou por auditoria a fim de serem averiguadas as irregularidades”, diz trecho da denúncia levadantada pelo MPF.

O texto indica que a empresa não estaria respeitando a jornada de trabalho e regulamentação de descanso dos pilotos e da tripulação e estaria operando com equipamentos de segurança em desacordo com as normas. A aeronave que caiu em Caratinga, de prefixo PT-ONJ, é citada na denúncia e estaria com problemas no para-brisas, que ficaria embaçado, o que causava prejuízo visual em pousos e decolagens.

A reportagem aguarda um posicionamento da Anac sobre as denúncias. Procurada pela reportagem, a PEC Táxi Aéreo não foi localizada.

O Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), órgão ligado à Força Aérea Brasileira, é responsável pelas investigações sobre a causa do acidente.

Confira a nota enviada pela Anac:

“A Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) se solidariza com os familiares das vítimas do acidente aéreo na serra de Caratinga, interior de Minas Gerais, nesta sexta-feira (5/11). 

A aeronave de matrícula PT-ONJ, modelo C90A, tinha como proprietário e operador a empresa Pec Taxi Aereo Ltda e possuía capacidade para transportar seis passageiros, além dos pilotos. 

De acordo com o Registro Aeronáutico Brasileiro (RAB), o avião estava com o Certificado de Verificação de Aeronavegabilidade (CVA) válido até 01/07/2022. A empresa tinha autorização para operar táxi-aéreo”