in

Netflix não vai retirar documentativo de Kanye West do ar em meio a polêmicas do rapper

Kanye West causou muitas polemicas nas últimas semanas.

A Netflix revelou que não irá tirar do ar o documentário “Jeen-Yuhs” de Kanye West em meio a seus recentes ataques antissemitas. A gigante do streaming decidiu manter a série documental de três partes, pois não faz negócios com West e o filme não continha nenhuma retórica antissemita, de acordo com o TMZ. O programa, que foi lançado no início deste ano, destacou a vida pessoal de West e sua carreira.

Os representantes da Netflix também observaram que não removeram filmes envolvendo outras estrelas de alto perfil quando entraram em apuros. Como muitos dos outros colaboradores de West – como Balenciaga, GAP, Adidas, Vogue e sua equipe jurídica – quebraram laços com o rapper “Heartless”, as celebridades pediram à Netflix para excluir a produção.

A Adidas – que fabrica e distribui a marca Yeezy há quase 10 anos – colocou sua parceria com West “em análise” e por fim, também não esta mais unida com o rapper.

“A adidas não tolera antissemitismo e qualquer outro tipo de discurso de ódio. Os comentários e ações recentes de Ye foram inaceitáveis, odiosos e perigosos, e violam os valores da empresa de diversidade e inclusão, respeito mútuo e justiça. Após uma revisão completa, a empresa tomou a decisão de encerrar a parceria com Ye imediatamente, encerrar a produção de produtos da marca Yeezy e interromper todos os pagamentos a Ye e suas empresas. A adidas interromperá o negócio com a Yeezy com efeito imediato.” diz um trecho da nota da marca.

A família de Kanye West foi às mídias sociais na segunda-feira para chamar a atenção do rapper “Donda”. Sua ex-esposa, Kim Kardashian, criticou o pai de seus quatro filhos em um Story no Instagram, dizendo que o discurso de ódio “nunca é aceitável ou desculpável”. “Estou junto com a comunidade judaica e peço que a violência terrível e a retórica odiosa contra eles cheguem ao fim imediato”, escreveu a fundadora da Skims, 42 anos.

O clamor público vem depois que West foi banido do Instagram e do Twitter depois que ele prometeu ir “Ir pra cima do povo judeu”. Mais tarde, ele criticou a “mídia judaica” por silenciá-lo online depois que ele postou uma captura de tela de suas mensagens de texto com Diddy na qual o rapper escreveu:

“Isso não é um jogo. Vou usar você como exemplo para mostrar ao povo judeu que disse para você me ligar que ninguém pode me ameaçar ou influenciar.” Tudo isso começou quando Kanye West estava na Paris Fashion Week, pois, ele vestiu uma camiseta “Vidas Brancas Importam” durante seu desfile.