in

Mãe e filha causam morte de rapaz após acusá-lo de ter estuprado crianças

A Polícia Civil do Espírito Santo (PCES) divulgou, nesta quarta-feira (28/10), a prisão de duas mulheres que acusaram falsamente um homem de estuprar crianças para incitar o linchamento dele, na Grande Vitória. A vítima foi morta a pedradas, pauladas e enxadadas. O crime ocorreu em 9 de junho, quando Bruna Hoffman, de 26 anos, e a mãe, Lucineia Pereira da Silva, de 50, espalharam a mentira contra Miguel Inácio Santos, de 49 anos, após uma briga entre os três.

“Era uma mentira criada pelas duas. A vítima era inocente, um rapaz trabalhador. A família dele sofre porque na época a informação do estupro se espalhou pelo bairro e muitos, até hoje, acreditam”, esclarece Daniel Fortes, delegado responsável pelo caso. Para esclarecer o caso para a população, a Polícia Civil promoveu uma entrevista coletiva onde contou os verdadeiros acontecimentos.

Miguel e Bruna se conheceram por meio de um aplicativo de relacionamento, usado pela mulher trans para divulgar serviços sexuais. O homem marcou um programa, que ocorreu na casa da mãe, Lucineia, no bairro Costa Dourada. Foi na hora do pagamento que o desentendimento começou.

“No aplicativo, eles combinaram um valor, mas na hora de pagar, Bruna falou um preço mais alto. Ela disse, em depoimento, que, na verdade, o homem pagou R$ 200 a menos, mas nossa investigação apurou que foi a Bruna que não respeitou o combinado”, disse o delegado.

Os dois discutiram, mas Miguel pagou o valor pedido pelo programa e deixou o local. Bruna também saiu de casa logo depois, para ir a outro compromisso. Cerca de 40 minutos depois, Miguel voltou ao local.

“Ele se sentiu coagido por causa da questão dos valores, acreditamos que esse tenha sido o motivo da revolta dele. De volta para a casa, ele arremessou uma pedra na janela e quebrou a porta. A mãe de Bruna estava lá dentro”, revelou Daniel.

Miguel Inácio foi linchado após ter uma discussão com uma garota de programa por pagar um valor mais caro do que o combinado

Lucineia e Miguel discutiam quando Bruna voltou para a casa e viu a cena. De imediato, ela pegou uma madeira que estava no quintal e foi em direção ao homem, que começou a correr para fugir dela.

Foi nesse momento que a mulher teve a ideia fatal que incitou o linchamento. Ao ver que não iria alcançá-lo, Bruna começa a gritar, para pessoas que estavam na rua, que ele era um estuprador que abusou de crianças do bairro.

“No depoimento, ela deixa claro que fez isso porque viu que não ia alcançar a vítima. A população consegue pegar a vítima, começa a agredi-la, Bruna e a mãe alcançam eles e participam da agressão. Bruna estava com a madeira e a mãe de posse de uma enxada. Todos agrediram a vítima com pauladas, pedradas e enxadadas”, revela o delegado. Cerca de 10 pessoas participaram do crime.

O corpo do homem foi abandonado em um matagal perto do local e só foi encontrado por volta das 16h, quando a Polícia foi acionada. Ele tinha marcas de pedradas na cabeça e ferimentos por todo o corpo.