in

Garotos de programa roubam, agridem e dopam vítimas em golpe do ‘boa noite, Cinderela’ no Rio

A Polícia Civil realiza, na manhã desta terça-feira (29), uma operação contra uma quadrilha suspeita de aplicar o golpe conhecido como “Boa noite Cinderela”. Até o momento, três homens foram presos em Copacabana, na Zona Sul do Rio, e um em São Gonçalo, Região Metropolitana.

Agentes da 14ª DP (Leblon) foram às ruas com o objetivo de cumprir cinco mandados de prisão contra os integrantes da organização. Os quatro presos foram identificados como Marlon Bouchud Falco, Gabriel de Souza Assis, Fábio de Brito da Silva e Maurício Vinícius Antunes da Conceição.

De acordo com a delegada titular da 14ª DP, Daniela Terra, a quadrilha escolhia as vítimas por meio de aplicativos de relacionamentos, para marcar encontros e dopá-las.

“É uma associação criminosa organizada para fins de dar golpe através de aplicativo de relacionamento. Eles entram em contato com essas vítimas e fazem de tudo para o encontro acabar indo pra casa das vítimas. Já na casa, eles dopam a vítima com drogas e conseguem senhas dos cartões as senhas pra efetuar pix”, explicou.

Uma das vítimas da quadrilha precisou ficar internada por dois dias na UTI do Hospital Miguel Couto, na Zona Sul da cidade, por conta dos efeitos da droga e só recebeu alta após cinco dias na unidade. Ela ainda teve quase todos os seus pertences roubados pelos homens.

Segundo a delegada, esses pertences foram recuperados durante o cumprimento dos mandados de prisão. A organização criminosa foi descoberta porque um dos alvos da quadrilha foi até a delegacia prestar queixa.

Os presos vão responder por associação criminosa e roubo qualificado. Durante a operação foram apreendidos diversos aparelhos celulares e máquinas de cartão, além de drogas utilizadas para a prática do delito.Segundo a Polícia Civil, o grupo é formado por garotos de programa de São Gonçalo. Kaio Pantera é apontado como líder da organização criminosa, segundo as investigações, era ele quem orquestrava os ataques.

“Na nossa investigação, considerando a quantidade de vítimas, o Pedro Paulo seria um dos líderes, junto com o Gabriel. Eles foram presos em Copacabana”, disse a delegada.