in

Cadela adotada por Lula e Janja rouba a cena na posse do presidente

A cadelinha Resistência, adotada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Janja da Silva, subiu a rampa do Palácio do Planalto ao lado do novo líder do Executivo e da primeira-dama, e arrancou suspiros na web neste domingo (1°/1).

A cadela está em Brasília desde 26 de dezembro e foi uma das convocadas para o momento histórico ao lado de outras lideranças políticas e ativistas.

A web não demorou a elogiar a postura da primeira-dama. A “amiga de quatro patas” foi adotada pelo presidente e a esposa depois de ter ficado em vigília por 580 dias no acampamento montado em frente à Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, no Paraná, durante a prisão de Lula.

A partir desta semana, Resistência irá morar no Palácio do Alvorada com o casal.

Membro da família Silva

Janja explica que o animal, que tem cerca de cinco anos de idade, recebeu esse nome por conta das intenções dos seus primeiros tutores, os apoiadores de Lula na frente da detenção em Curitiba, que ali resistiram pelo que consideravam justo. A adoção começou a ser cogitada pela então namorada de Luiz Inácio durante as visitas ao acampamento Lula Livre. A decisão de adotar a vira-lata foi tomada quando a cadela ficou doente e precisou ser internada em junho de 2018.

“Ela ficou alguns meses na vigília, mas, como fazia muito frio em Curitiba, ela ficou doentinha, e eu falei: ‘Vamos lá, Resistência, você vai pra minha casa’. Contei isso por carta pra ele: ‘Olha só, temos uma filha nova’. E aí o pessoal da vigília sempre falou: ‘A Resistência vai subir ainda a rampa do Planalto'”, contou a primeira-dama ao Fantástico, da TV Globo, em novembro.

Janja assumiu a responsabilidade pelo animal e colocou as vacinas de Resistência em dia, criando uma rotina de banhos em pet shop, que inclui enfeites em formatos de estrela. Com bom humor, a primeira-dama brinca que até os funcionários da clínica veterinária já sabiam que animal era petista.

Já a história de Lula e Resistência começou com a liberdade do petista, em 2019. Lula deixou Curitiba e se mudou para São Bernardo do Campo, para onde a cadela seguiu. Em abril de 2021, foi apresentada nas redes sociais do presidente como “parte da família”. Durante a campanha presidencial, Resistência também teve seu lugar de destaque: participou de eventos sobre Direitos Animais do PT, ao lado de celebridades como a ativista Luisa Mell e a chef e apresentadora Bela Gil.

Com texto de Marcos Braz e Rebeca Oliveira.