in

Argentina pode se tornar a área mais quente do mundo por algumas horas na terça-feira

Marcas extremas e potencialmente recordes de calor em muitas cidades são esperadas na Argentina, Uruguai, Paraguai e no Sul do Brasil em evento que traz riscos para a população

Uma brutal onda de calor de temperatura extremamente elevada e por período prolongado atingirá o Centro da América do Sul nesta segunda semana de janeiro e na metade do mês. São esperadas marcas extremas de temperatura em grande parte da Argentina, no Uruguai, e no Sul do Brasil e Paraguai. Recordes de máximas de décadas devem cair nos territórios uruguaio e argentino que devem sofrer o pior da onda de calor, mas marcas históricas também podem ser alcançadas no Rio Grande do Sul.

Todos os modelos numéricos de previsão do tempo convergem em indicar um evento de calor com força incomum com valores de temperatura muitíssimo acima da climatologia normal do mês de janeiro com máximas que podem alcançar valores de 10ºC a 15ºC acima das médias históricas desta época do ano. Será a segunda onda de calor generalizada na parte central da América do Sul desde o começo do verão e mais forte que a da virada do ano que chegou a ter máxima de 46,6ºC em Rivadavia, na Argentina.

No melhor cenário, conforme as simulações feitas por supercomputadores, a onda de calor seria muito intensa. No pior, o evento de calor teria magnitude sem precedentes na história recente em várias localidades com temperatura jamais vista em décadas com quebra de vários recordes de temperatura máxima na região a partir de marcas próximas ou acima de 40ºC de forma generalizada e acima de 45ºC em alguns pontos.

Os dados, em geral, indicam que o pior do calor ocorrerá na Argentina e no Uruguai, onde os desvios em relação à climatologia histórica devem ser maiores e imensos, entretanto o Rio Grande do Sul vai sentir com muita força o episódio, especialmente em cidades do Oeste e do Sul do estado que estarão mais próximas do centro da bolha de calor que vai se instalar sobre a parte central da América do Sul.

PODE O RIO GRANDE DO SUL TER A MAIOR TEMPERATURA DA SUA HISTÓRIA?

Um episódio de calor muito intenso a extremo vai se instalar no decorrer desta semana no Rio Grande do Sul com temperatura muito alta a excepcionalmente elevada em algumas regiões do estado. Máximas acima de 35ºC devem ser generalizadas no final da semana no estado gaúcho e muitas cidades terão máximas perto ou acima de 40ºC. Mesmo cidades da Serra Gaúcha podem ter marcas extremas no final da semana com máximas de até 37ºC em Caxias do Sul e ao redor dos 40ºC nos vales de Farroupilha e Bento Goncalves, dentre outras cidades da região com acentuada variabilidade microclimática por relevo.

O Oeste e o Sul do Rio Grande do Sul sentirão com mais força a magnitude incomum da onda de calor pela sua maior proximidade da bolha de ar extremamente quente que deve se centrar na região do Rio da Prata no final desta semana. O Oeste será a primeira região a registrar as temperaturas mais extremas à medida que o aquecimento mais intenso vai se iniciar a partir do Norte e do Nordeste da Argentina.

Na região de Uruguaiana e Quaraí, conforme a análise da MetSul a partir de conjunto amplo de dados, as máximas devem atingir 37ºC nas tardes de hoje e amanhã, 39ºC na terça, 41ºC a 42ºC na quarta, 42ºC a 43ºC na quinta, e 43ºC na sexta. O próximo fim de semana é ponto em aberto na região com alguns dados reduzindo o calor por instabilidade e outros mantendo a grande intensidade.O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) chega a ser mais agressivo em seu prognóstico para o Oeste do Rio Grande do Sul e indica 45ºC.

Na fronteira com o Uruguai e na Campanha, nas áreas de Bagé, Jaguarão, Dom Pedrito e Quaraí, marcas de 40ºC a 42ºC, ocasionalmente superiores, devem ser esperadas no final da semana pela previsão da MetSul. Pelotas, no sábado (15) poderia atingir 41ºC ou 42ºC.

Com base nestes valores, é factível que o Rio Grande do Sul possa ter a maior temperatura de toda a sua série observacional e se o recorde não for atingido ficará perto de ser alcançado. Desde que tiveram início as medições meteorológicas regulares no estado gaúcho em 1910, as maiores máximas oficiais foram de 42,6ºC em 1917 (Alegrete) e em 1943 (Jaguarão), ambos verões de forte estiagem como 2022. O modelo europeu, que tem um índice de acerto muito alto para o Oeste gaúcho, está indicando marcas de 42ºC a 43ºC, logo dentro da faixa de possibilidade de estabelecimento de um novo recorde de máxima histórica para o Rio Grande do Sul.

Comentários frequentes em redes sociais são do tipo “mas todos os anos faz 43ºC a 45ºC aqui na minha cidade”, mas o que as pessoas observam são medições feitas em termômetros de rua que não são calibrados nem observam os parâmetros para que sejam medições válidas para fins meteorológicas.

Em Meteorologia, a temperatura é medida por estações automáticas ou convencionais que observam uma série de critérios técnicos de instalação e neste tipo de equipamento mantido pelo Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), responsável pelas medições oficiais e usadas para fins de estatística histórica, marcas de 42ºC ou superiores – como as que podem ocorrer nesta semana – são extremamente raras.

CALOR DEVE SUPERAR 40ºC NA GRANDE PORTO ALEGRE

Em Porto Alegre e região metropolitana, o calor será extremo no final da semana. As máximas superam os 35ºC na Grande Porto Alegre já na terça ou quarta-feira, mas o pior do calor vai se dar na sexta e no sábado. Para a sexta, a previsão para a capital gaúcha é de 38ºC ou 39ºC com marcas ao redor de 40ºC no Vale do Sinos. O sábado é um ponto em aberto. Os dados oscilam entre indicar a diminuição do calor por instabilidade e aumenta-lo no dia 15 com máxima de 39ºC a 40ºC em Porto Alegre e 40ºC a 42ºC na região metropolitana, o que será refinado em prognóstico no decorrer da semana.

De momento, com base nos dados hoje disponíveis, não haveria a quebra do recorde histórico de temperatura máxima em Porto Alegre de 40,7ºC de 1º de janeiro de 1943. Tampouco a onda de calor seria tão intensa como a de fevereiro de 2014 na capital que trouxe 40,6ºC, a segunda mais alta temperatura da história da cidade. Da mesma forma, o calor extremo não seria prolongado como na onda de janeiro de 2006. Se os modelos no decorrer da semana firmarem uma tendência sobre o sábado e indicarem a possibilidade de uma máxima de 40ºC em Porto Alegre seria um fato notável porque raras as ocasiões desde o começo das medições em 1910 que a capital gaúcha atingiu a marca oficialmente.

Para ler completo clique aqui.