⚡ Curiosidades, celebs, séries, músicas, cinema e muito mais!

+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Agência do governo usa gênero neutro em matéria sobre encontro LGBT+ 12

Agência do governo usa gênero neutro em matéria sobre encontro LGBT+

A Agência Brasil adotou o gênero neutro em matéria sobre encontro de parlamentares LGBT+, publicada no último sábado (21/1). A agência pública de notícias, que pertence à Empresa Brasil de Comunicação (EBC), alegou que o uso do gênero neutro nas construções das frases ocorreu em atendimento a um pedido das parlamentares, indicando que o emprego foi pontual.

A matéria trata do 1º Encontro de LGBT+ eleitos em 2022, realizado nos dias 20 e 21 de janeiro em Brasília. O evento reuniu parlamentares eleitos para a Câmara dos Deputados e também para as Assembleias Legislativas dos Estados. O encontro antecede o Dia Nacional de Visibilidade Trans, lembrado em 29 de janeiro.

Ao longo do texto, foram empregadas palavras como “candidates” e “eleites”.

A linguagem neutra, que é rechaçada pela parcela mais conservadora da população, consiste em uma adaptação da regra pronominal normativa para que pessoas não binárias se sintam identificadas na comunicação verbal e não verbal.

Popularizada na internet, a linguagem altera os artigos masculino e feminino pelo “e”, a fim de que as palavras se tornem neutras. Em alguns casos, as pessoas também substituem os artigos pelo “x” ou por um “@”.

Na seara dos pronomes pessoais, ainda há o uso do “u” para indicar alguém que não se identifica como mulher ou homem, em casos nos quais a letra “e” já está em uso, por exemplo “ele”. Um exemplo claro de como a regra seria aplicada em uma frase seria: “Elu é bonite”.

Gramaticalmente, na forma culta do português, utiliza-se o pronome masculino quando se fala de mais de um gênero, o chamado masculino genérico, que denota os gêneros feminino e masculino.

Autoridades empregam o gênero neutro

Desde o dia 1º de janeiro, algumas figuras do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) vêm lançado mão da linguagem neutra de gênero.

O ministro-chefe da Secretaria de Relações Institucionais, Alexandre Padilha, foi um dos primeiros a aderir à neutralidade de gêneros. Quando tomou posse, em 2 de janeiro, o petista começou seu discurso com a frase: “Boa tarde a todas, a todos e a todes”.

No entanto, não há consenso no governo sobre a adoção da linguagem. Como mostrado pelo Metrópoles, a ministra do Turismo Daniela Carneiro (União Brasil-RJ), mais conhecida como Daniela do Waguinho, é coautora de projeto de lei (PL) que veda o uso de linguagem neutra por escolas públicas e privadas.

O PL foi apresentado quando Daniela ainda exercia o mandato de deputada federal. O texto justificava que a proibição deveria ser feita “para proteger os estudantes brasileiros e evitar tal afronta ao papel do ensino escolar”.

Atualmente, 15 projetos de lei que citam a linguagem neutra tramitam na Câmara dos Deputados, todas apresentadas com o objetivo de banir a inserção dessa linguagem em políticas públicas.

Compartilhe essa notícia ✈️
0
Compartilhar
URL compartilhável
👀 Talvez você queira saber
0
Compartilhar